22/03/12 - Sobram vagas na Paraíba no setor de alimentação fora do lar

Pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) constatou que existem aproximadamente 400 mil vagas no setor de gastronomia que estão desocupadas em todo o país. E mais da metade, 250 mil, são para a função de garçom. Na Paraíba, ainda não há dados oficiais, mas o presidente da Abrasel-PB, Marcos Mozzini, adiantou que há carência de mão de obra em todas as funções, “principalmente de mão de obra treinada”.

 

 

A entidade está fechando uma parceria com o Grupo Sigma, para a realização de uma pesquisa no setor de alimentação fora do lar que irá ajudar a Abrasel-PB, e seus parceiros, na criação de ações para sanar os problemas e desenvolver ainda mais o mercado.“Com o resultado desse trabalho teremos mais segurança para a criação e implantação de projetos que desenvolvam e valorizem o setor, o que irá resultar positivamente também na indústria do turismo e na geração de renda para o nosso estado”, destacou.

 

De acordo com pesquisa nacional, a construção civil e bicos esporádicos sem registro estão roubando a mão de obra do segmento. Com o país apresentando ótimos índices de empregabilidade (pesquisa de janeiro do IBGE aponta taxa de 5,5% de desemprego), em alguns estados verifica-se a “importação” de mão de obra para que sejam supridas as demandas do setor.

 

A Paraíba é um exemplo disso. Segundo Marco Mozzini, está “claramente acontecendo um movimento migratório inverso de brasileiros que estão retornando para o país. Já recebemos ligações de patrícios que residem fora e pedem emprego em nossas empresas”, e ressaltou também que estrangeiros estão procurando oportunidades por aqui: “Portugueses e espanhóis demonstraram interesse em trabalhar no estado, porém, não podemos atendê-los por não estarem legalizados”.

 

O presidente da Abrasel-PB relatou também que migrantes do Nordeste que foram para o Sul/Sudeste, em especial Rio de Janeiro e São Paulo, estão retornando à região. “Estive recentemente em São Paulo e pude perceber que é gravíssima a falta de mão de obra por lá, o mesmo que acontece no nosso estado. A mão de obra do setor do Rio e São Paulo é praticamente formada por nordestinos, e muitos estão querendo retornar. Sabemos que vários empresários locais estão trazendo profissionais de lá para suprir as suas necessidades”, explicou.

 

Fonte: Turismo em Foco