11/03/13 Desacelere a vida profissional para preservar a sua saúde

O susto que Elísio João Viciana e Rosângela Ojuara tomaram mudou radicalmente suas vidas. Estresse, sedentarismo e alimentação desregrada os levaram a ter problemas de saúde e, consequentemente, a repensarem sua forma de encarar a vida profissional.

Aos 25 anos, Viciana quase teve um enfarte. Mesmo seus pais terem tido problemas coronários, o executivo, que hoje é vice-presidente da Mapfre Investimentos, trabalhava 16 horas por dia, não praticava atividades físicas e quase todos os dias comia fast food em sua mesa do escritório.

“A busca pelo sucesso e pelo bônus anual os estimulava a seguir essa rotina. Achava que lazer era perda de tempo”, lembra Viciana, que ficou oito anos sem sair de férias.

Desde o episódio, o executivo mudou sua alimentação, passou a praticar atividade física e a viajar em suas férias. Ele não chegou a se afastar da gestora de recursos para qual trabalhava –e administrava R$ 4,5 bilhões de terceiros–, mas mudou radicalmente sua postura.

Getty Images
Para cuidar da saúde e trabalhar mais disposto, é preciso fazer exercício físico e comer comida balanceada

"Busquei melhorar minha alimentação, principalmente no que diz respeito à qualidade dos alimentos. Também passei a frequentar a academia três vezes por semana e busquei reduzir o ritmo frenético do trabalho, embora este último tenha sido mais difícil”, diz.

O executivo, hoje com 39 anos, mantém até hoje a rotina que adotou desde os 25 anos. “Se pudesse dar um conselho aos profissionais que buscam, a qualquer custo, sucesso e retorno financeiro é: tenha mais equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal. Você pode até ver o resultado no curto prazo, porém o prejuízo no longo prazo, principalmente no que diz respeito à saúde, pode ser grande”, sugere.

Já Rosângela se alimentava bem e praticava exercícios físicos regularmente. Porém, seu "calcanhar de Aquiles" era o estresse e pressão que sofria por resultados. “Certa vez, estava fazendo exercícios e meus batimentos cardíacos foram a 200 por minuto. Me levaram ao hospital e o médico me disse que o caso era grave e que precisaria operar. Não dei ouvidos. Consultei mais dois especialistas que disseram o mesmo. Um deles, inclusive, disse que se não o fizesse teria só mais um mês de vida”, lembra.

Demissão
Rosângela tinha um problema congênito no coração, agravado pelo estresse. O trauma a fez pedir demissão mesmo estando afastada do trabalho por três meses. Foi então que ela decidiu virar coaching. “Continuo fazendo absolutamente tudo o que fazia antes. Porém agora meus horários são flexíveis”, diz, ponderando que quando a mudança de vida é muito radical, a pessoa precisa saber que se privará de algumas coisas e se poupará de outras.

Especialistas dizem que casos como os de Elísio e Rosângela são mais comuns do que imaginamos e, para evitá-los, é preciso alguns cuidados. “As pessoas têm a ideia de que o tempo precisa ser aproveitado ao máximo e, consequentemente família, amigos e até a própria saúde ficam de lado”, alerta Antonio Carlos Till, diretor-médico da clínica Vita Check-Up Center, lembrando que muitas vezes um susto, seja com ele ou com pessoas próximas, é sempre um fator motivador de mudanças.

Andrea Sette, clínica geral da Rede D'Or São Luiz diz que é preciso praticar atividade física, de três a quatro vezes por semana e alimentar-se adequadamente, ou seja, reduzir a ingestão de alimentos processados, refrigerante e frituras. “A primeira medida é entender os fatores que levam ao enfarte e ao acidente vascular cerebral (AVC) e evitá-los, já que são os problemas mais graves, e mais comuns, de executivos de alta liderança”, afirma.

Para os que já sofreram algum tipo de problema, os cuidados passam a ser ainda mais intensos, e as visitas aos médicos constantes. “A vigilância é permanente”, diz o diretor-médico da Vita Check-Up Center.