19/03/13 No livro "O Segredo de Frida Kahlo", de Francisco Haghenbeck, estão algumas receitas marcantes da artista

 

O “Livro de Erva Santa” desapareceu do Palácio de Belas Artes (México) quando a exposição em homenagem à Frida foi aberta ao público. Na imagem, o “pão de morto”.

Frida Kahlo não foi nem será a única mulher a se deparar com a morte. Entretanto, na maioria dos casos, poucas sobrevivem ao primeiro encontro. Após o acidente que lhe diminuiu a vitalidade do corpo – sem desgastar a sagacidade da mente-, a artista mexicana achou na pintura uma maneira de suportar as dores crônicas lhe assolavam.

O fato marcante fez com que ela firmasse um pacto com a “ceifadora de vidas” e em cada celebração do “Dia dos Mortos” uma receita seria oferendada. Esse fragmento de história faz parte do livro Os Segredos de Frida Kahlo, no qual a colher e a mesa dividem ao pincel e a tela.

O escritor Francisco Haghenbeck encontrou, entre os objetos pessoais deixados por Frida, o “Livro da Erva Santa”. Nele, diversas receitas que foram utilizadas durante o festejo comemorado em 2 de novembro. Pratos e relatos que a artista compartilhou com amigos e familiares. Sabores, cores e cheiros que diziam muito sobre ela, assim como seus autorretratos.

Para que sirva de inspiração, o Catraca Livre destacou 5 das muitas receitas que estavam no caderno de Kahlo. Cinco formas de tirar o gosto amargo deixado pelos dissabores da vida.

Fonte: http://catracalivre.folha.uol.com.br/geral/gastronomia/indicacao/frida-kahlo-e-a-arte-de-cozinhar/

Em 19/03/2013