23/4/2013 - Fast-food `alimenta´ franquias

Em 2012, esse tipo de franquia faturou R$ 8,3 bi, valor 8,7% maior que em 2011

A alimentação fora de casa, em especial os fast-food, promete ser uma das áreas com crescimento mais expressivo entre as franquias em 2013, segundo levantamento da Rizzo Franchise. Para Marcus Rizzo, sócio da empresa, que é especializada em consultoria e pesquisa do setor, o bom desempenho da atividade está ligado ao crescimento da renda da população, que permite novas experiências na área de alimentação. "O fast-food continuará tendo grande procura. Também merece destaque o delivery, estimulado pela falta de tempo e segurança nos grandes centros urbanos", observa o consultor.

No ano passado, esse tipo de franquia faturou R$ 8,31 bilhões, valor 8,7% superior ao contabilizado em 2011 (R$ 7,64 bilhões). E, diante de um mercado promissor, 26 empresas começaram a expandir por meio do franchising.

O total de franqueadores passou de 328 em 2011 para 354 em 2012. E 1.077 pessoas aderiram a este setor no ano passado com a compra de uma franquia da área de alimentação/fast-food, tornando-se franqueadas.

Mauro Pinhel, que é master franqueado da rede Bob´s e administra 20 pontos de venda da marca em Belo Horizonte e região metropolitana, é um dos que apostam no setor. Tanto, que até o final deste ano pretende chegar a 30 estabelecimentos. "A tendência é de crescimento da alimentação fora do lar. Hoje, é cada vez mais difícil uma pessoa retornar do trabalho e almoçar em casa, ainda mais com a PEC das Domésticas", acredita.

Além de considerar o segmento de alimentação atrativo, Pinhel ressalta que contar com o suporte de uma marca conhecida no mercado é uma vantagem. "Você larga na frente ao aderir a uma boa franquia, tem mais visibilidade e credibilidade", observa.

A franqueada da Spoleto, Nara Milet, também disse acreditar que o setor de alimentação oferece boas oportunidades. "Não é só o mercado, eu preferi investir numa franquia por considerar a marca confiável, sólida, além de oferecer um negócio que é de fato viável."

A empresária, que hoje administra três unidades da rede especializada em massas em Belo Horizonte, conta que se formou em nutrição e exerceu a profissão no franchising da rede, durante sete anos. "Com isso, conheci o outro lado do negócio, conheci o padrão de qualidade", ressalta.

Para ela, o mercado é promissor, já que as pessoas têm cada vez menos tempo e precisam se alimentar rapidamente, em especial, nas grandes cidades. "Além de ser um mercado promissor, tenho o suporte da franqueadora. E não preciso me preocupar com o outro lado do negócio, que é o de desenvolvimento de novos produtos", observa.

O franqueado do Giraffas, Marcos Mencarine Lima, conta que ingressou no mercado de fast-food atraído pela marca, que é bem conhecida em Brasília. "No início, a ideia era complementar a renda. Hoje fico por conta das lojas", diz.



Fonte:http://www.otempo.com.br

Data:21/4/2013