21/5/2013 - Abrasel quer regulamentar acesso de policiais armados nos estabelecimentos do setor

 


O episódio lamentável que culminou na morte de um jovem de 20 anos, após ser alvejado durante um show o Parque de Exposição Agropecuária da Nova Vila, no último sábado (18/5), trouxe à tona um importante debate: o porte de arma por policiais em momentos de lazer ou fora de serviço.

Comuns em bares, restaurantes, boates e festas em geral, fatos como este têm sido motivo de preocupação da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-GO), que já há algum tempo busca diálogo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás (SSP - GO), com objetivo de normatizar o acesso de policiais fora de serviço nos estabelecimentos do setor. “Não discutimos a legalidade do porte de armas, mas acreditamos que em locais onde a pessoa está se divertindo não é necessário armamento. Sabemos que o risco de utilizar uma arma durante uma discussão, por mais banal que seja, é muito grande”, destaca o presidente da entidade, Rafael Campos Carvalho.

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel–GO), enquanto representante das empresas do setor de alimentação fora do lar, solicitou aos comandantes das polícias Civil e Militar que coibisse tal conduta. “Entendemos que, caso o policial esteja em investigação, por exemplo, ele deve apresentar o mandado de segurança e, assim, justificar o porte de armas”.

Carvalho destaca ainda que os próprios empresários têm tomado suas providências, mas sem muito resultado. “Existem estabelecimentos que oferecem o cofre para guardar os armamentos e a munição, o que quase sempre é recusado pelos policiais. O certo é que enquanto não for feito nada, teremos inocentes sendo vitimados por maus profissionais. Queremos que a Secretaria de Segurança Pública se posicione em defesa dos nossos clientes”, concluiu.