05/04/12 - Consumo no setor alimentar caiu 2% em valor

 

O consumo no setor alimentar nas empresas de distribuição caiu cerca de dois por cento em valor no primeiro trimestre deste ano, quando comparado com igual período de 2011, disse à Lusa fonte da APED.

Portugal pediu ajuda financeira à `Troika` a 06 de abril de 2011. Um ano depois, a Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição (APED) diz que "o consumidor mudou bastante a atitude" nas compras.

"Tem mais hipersensibilidade ao preço, passou a ir mais vezes à loja e a gastar menos dinheiro e no setor alimentar passou a comprar artigos que substituem a alimentação fora de casa. São tendências muito expressivas", disse à Lusa Ana Isabel Morais, diretora-geral da APED.

Na alimentação, denota-se que há produtos onde o consumidor aposta no `upgrade`, ou seja, compra um artigo um pouco mais caro para compensar o facto de ter deixado de fazer refeições fora.

No entanto, o "efeito da crise é profundo" devido ao "decréscimo substancial no poder de compra das famílias", acrescentou.

Se se comparar o primeiro trimestre do ano passado, anterior ao pedido de ajuda externa, e os primeiros três meses deste ano, "no setor alimentar o consumo está a cair em valor dois por cento".

Mas é no setor não alimentar que as quebras são maiores, variando entre recuos de quatro por cento até dois dígitos.

"A categoria com mais quebra é a eletrónica de consumo", disse Ana Isabel Morais, um segmento que antes do pedido de ajuda externa era um dos preferidos dos consumidores portugueses.

Segundo dados da Nielsen, nos bens de grande consumo (higiene lar, higiene pessoal, bebidas e alimentação), a quebra em faturação é de 0,2 por cento.

O segmento das bebidas é o que mais tem perdido terreno, com menos vendas de bebidas alcoólicas, que estão a ser substituídas por refrigerantes.

 

Fonte:RTP Notícias