27/02-2013 - Carta Aberta - Crime choca empresários do setor de alimentação fora do lar

 

Por Rafael Campos Carvalho.


Brasil: país continental, de povo alegre e receptivo, paisagens ímpares e inúmeras belezas naturais. Estes adjetivos fazem com que o país seja visto como um lugar em especial nos mais variados cantos do mundo, outro rótulo nada desejado tem tomado as manchetes dos principais meios de comunicação.  É a violência epidêmica que invade as cidades, oprime cidadãos,  colocando-os como reféns da bandidagem que corre solta.

É de se estranhar que uma entidade como a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel Goiás), reconhecidamente representante de estabelecimentos que contribuem para promover a alegria, a reunião de amigos e famílias e, por que não, elevar a autoestima da população, volte a tocar neste assunto desagradável. O que nos move é a indignação e a revolta com a crescente onda de violência e insegurança que assombra o país, e que fez a família abraselina perder um ente querido, somando aos índices crescentes de criminalidade contra o setor de alimentação fora do lar.

Estamos falando do assassinato brutal do empresário Guilherme Brandão, sócio-proprietário da casa de show Maikai;  irmão do presidente da Abrasel Maceió (AL), por sinal, local onde será o próximo Encontro Regional da Abrasel, que foi brutalmente assassinado na sua casa de eventos localizada na capital alagoana.  Nesta quarta-feira (26.2) em protesto contra a violência urbana e contra o setor de bares, restaurantes e similares a prefeitura da cidade cancelou o Baile Municipal, que este ano seria beneficente, com a renda revertida para entidades assistenciais. Além do cancelamento, os bares e restaurantes associados, por meio da entidade, emitiram nota suspendendo seu funcionamento.

Indignação e revolta é o que nos move. Novamente vimos uma família e o setor sofrerem com a falta de segurança pública, falta de comprometimento dos gestores em barrar a criminalidade e a impunidade. Alguns chamados “justiceiros” tentam fazer justiça com as próprias mãos, outros alheios a sua responsabilidade insistem em negar o problema, como é o caso dos representantes da área em Goiás, e até chegam a pedir intervenção federal, inábeis para colocar em prática ações eficazes. Investimentos são deslocados para áreas menos relevantes, o dinheiro dos impostos não é investido nas áreas prioritárias.

Até quando veremos inocentes serem mortos? Até quando vamos aceitar calados a inoperância do poder público?  Estudiosos apontam que a solução para a violência está diretamente relacionada às condições de vida das pessoas: saúde, educação, cultura, enfim, qualidade de vida, uma realidade ainda distante de milhões e milhões de brasileiros. Contudo, isso não exime os políticos de propor e desenvolver políticas públicas eficazes e garantir segurança para a população.  Chega de pão e circo! Nosso lindo país  cresce e merece a paz!

* Empresário e presidente da Abrasel Goiás.

 

Exibindo Guilherme Brandão.jpg

Foto: Guilherme Brandão