01/06/12 - Alta gastronomia mira o Cerrado

Mangaba, buriti, bocaiúva e castanha de baru são sabores comuns aos mato-grossenses. O que muitos não conhecem é o potencial dos ingredientes típicos do cerrado para a alta gastronomia.

 

Em tempos de Copa do Mundo, a ideia de inserir os itens da cozinha tradicional cuiabana num cenário mais contemporâneo começa a animar profissionais da culinária que atuam no Estado.

 

A chef Ariani Malouf é uma das entusiastas da proposta. Ela acredita que, com um empurrãozinho, os sabores de Mato Grosso podem se projetar tanto quanto os de outros Estados. “No Pará eles acreditaram no potencial deles, por isso tantas pessoas vão para lá dispostas a experimentar comidas consideradas exóticas”, pontua.

 

Entre as barreiras antes do sucesso, segundo ela, estão a adaptação do paladar dos consumidores e a produção em larga escala dos produtos.

 

Uma das precursoras da utilização de ingredientes típicos da região na alta gastronomia, Ariani afirma que a presença dos sabores ainda é tímida por não haver uma produção em larga escala. “Eu busco inserir no cardápio, mas sempre com receio, por não ter certeza se vou encontrar a quantidade necessária”, diz.

 

Apesar das dificuldades, o Buffet Leila Malouf, que promove há 6 anos o evento gastronômico Festival de Criatividade, apostou este ano na realização do Festival Sabores do Cerrado. “Quem sabe seja uma forma de incentivar a produção desses itens pela agricultura local”, avalia Ariani, idealizadora do projeto.

 

A edição, voltada especificamente à culinária local, reuniu ontem profissionais que atuam nos restaurantes Mahalo e Novo Sabor. As receitas criadas por eles foram julgadas por chefes renomados que atuam em várias regiões do Brasil. Em breve, os pratos devem ser adicionados aos cardápios das duas casas.

 

Fonte: Diário de Cuiabá