21/06/12 - Food service em Goiás cresce acima da média

 



O mercado de alimentação cresce 15% ao ano no País. Goiás supera essa média, de acordo com o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) em Goiás, Rafael Campos Carvalho. O resultado é estimulado por um número maior de pessoas alimentando fora de casa em reflexo da melhora do rendimento familiar e do crescimento da cidade.

Um levantamento recente, realizado pelo instituto de pesquisas Data-Popular, mostra que o brasileiro gasta mais de 20% de sua renda mensal com alimentação fora de casa. Dados da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia) dizem que a cada R$ 100 gastos pelos brasileiros com alimentação, R$ 31 são usados para comprar refeições fora do lar.

As despesas estimulam o setor de food service, que abrange todas as áreas responsáveis por produção e distribuição de comida fora do lar. O setor deve dar um salto em seu desempenho nos próximos dois anos, podendo passar a faturar nada menos que R$ 290 bilhões até 2014, segundo consultoria do segmento.

Segundo previsão realizada pela ECD Consultoria, o setor passou de um faturamento de R$ 96 bilhões, em 2005, para R$ 185 bilhões, em 2010, um crescimento médio de 15% ao ano. Em 2011, esse faturamento deverá ter alcançado R$ 210 bilhões e R$ 290 bilhões em 2014, registrando um crescimento de 56,75% nos próximos dois anos.

 

Avaliação
Sócias-proprietárias da Companhia do Grelhado, Elida e Monimárcia de Andrade avaliam que o setor se recuperou de uma estagnação provocada pela crise financeira e atualmente apresenta crescimento de algo em torno de 10% ao ano, pouco aquém da média alcançada no País. Com cerca de 500 refeições diárias, em média, ela diz que os 15% apresentados no cenário nacional têm mais força promovida pelos resultados do sudeste do País. “Não temos percebido crescimento nesse patamar, embora algumas cidades do interior do Estado estarem apresentando uma demanda crescente de pessoas que precisam comer fora de casa”, explica Elida.

O presidente da Abrasel ressalta que Goiânia já superou Belo Horizonte em número de estabelecimentos. “Temos um mercado forte, com milhares de bares, restaurantes, lanchonetes, panificadoras. A entrada da mulher no mercado de trabalho, o trânsito complicado e a perda da mobilidade acabam induzindo a um consumo fora do lar”, explica Carvalho.

 

Fonte: Jornal O Hoje