10/08/2012 - Dow e S&P têm leve alta; Nasdaq recua em dia volátil

Bolsa de Nova York consegue estabilidade e Dow Jones tem alta e Nasdaq recua. Leia mais sobre a matéria.

A Bolsa de Nova York encerrou perto da estabilidade na quarta-feira, após passar a sessão oscilando entre pequenos ganhos e perdas. Mesmo assim, nos últimos quatro pregões, o índice Dow Jones avançou quase 300 pontos e chegou ao nível mais alto em três meses. Com isso, o índice está apenas 100 pontos abaixo da máxima atingida em dezembro de 2007 e 7% aquém do seu recorde histórico.

No fechamento, o Dow Jones avançou 7,04 pontos (0,05%), para 13.175,64 pontos. O Nasdaq recuou 4,61 pontos (0,15%) e terminou a 3.011,25 pontos. O S&P 500 teve alta de 0,87 ponto (0,06%) e finalizou a 1.402,22 pontos.

Entre os setores que ajudaram os mercados a encerrar em leve alta estão o de saúde e bens de consumo. Os papéis da Hewlett-Packard subiram 2,37%, após a companhia elevar sua previsão de lucro para o terceiro trimestre deste ano. As ações da Alcoa avançaram 2,33%, enquanto o Wal-Mart registrou valorização de 0,97%.

A Walt-Disney ganhou 1,37%, depois de divulgar o balanço do terceiro trimestre fiscal, que superou as estimativas dos analistas. Já o McDonald's recuou 1,66%, após a rede de fast food reportar queda nas vendas de suas três regiões globais, ficando abaixo das expectativas.

Os investidores se mantiveram cautelosos também em função de um aumento nos custos de financiamento da Espanha. Mais cedo, o yield do bônus espanhol de 10 anos voltou a superar a marca crítica de 7%. Na agenda de indicadores dos Estados Unidos, o Departamento do Trabalho informou que a produtividade dos trabalhadores aumentou 1,6% e o custo da mão de obra subiu 1,7% no segundo trimestre deste ano. A estimativa era de uma alta de 1,3% na produtividade e um avanço de 0,6% nos custos.

"Se nós evitarmos essas armadilhas - a crise na Europa e o 'abismo fiscal' nos EUA - a recuperação da economia norte-americana pode continuar e melhorar no fim do ano", comenta Josh Feinman, economista-chefe global da DB Advisors.

Ele acrescenta que os principais bancos centrais do mundo mantêm uma postura acomodatícia e as companhias norte-americanas estão mostrando capacidade de manter suas margens de lucro, mesmo em meio às incertezas globais. As informações são da Dow Jones.


Fonte: R7 - 08/08/2012